O Veterinário Municipal é a autoridade sanitária veterinária concelhia ao qual, de entre outras funções, compete prevenir e corrigir fatores ou situações suscetíveis de causarem prejuízos graves à saúde pública, bem como situações relativas à garantia de salubridade dos produtos de origem animal.
Serviço de inspeção sanitária
Inspeção e controlo higio-sanitário das instalações para alojamento de animais e dos produtos de origem animal, dos estabelecimentos comerciais, industriais e de venda ambulante, onde se manipulam produtos de origem animal e seus derivados, com emissão de parecer.
Colaboração da Autoridade de Saúde de Vila Pouca de Aguiar.
Serviço de recolha de animais errantes
Infelizmente, todos os dias surgem novos casos de maus tratos e abandono de animais. A Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar trabalha em estreita colaboração com uma equipa de colaboradores especializados na recolha, alojamento e acompanhamento de animais abandonados.
Os animais errantes provêm de todo o concelho, são recolhidos e encaminhados para as instalações do canil de Boticas, onde permanecem durante 8 dias úteis a aguardar o seu proprietário. Após este período e após avaliação veterinária podem ser selecionados para adoção.
Se procura um cão ou gato para adoção visite o Canil Municipal do Boticas. A adoção implica assinatura de um termo de responsabilidade e o pagamento da vacinação antirrábica e da identificação eletrónica em regime de campanha. Para mais informações sobre o processo de adoção contacte o serviço.
De acordo com o Decreto-Lei n.º 116/98, de 5 de Maio, os médicos veterinários municipais têm o dever de colaborar com o Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, na área do respectivo município, em todas as acções levadas a efeito nos domínios da sanidade animal, da higiene pública veterinária, do melhoramento zootécnico e da economia e comércio pecuários programados pelos serviços competentes.
A estrutura da carreira de médico veterinário municipal é a constante do mapa I anexo ao Decreto-Lei n.º 265/88, de 28 de Julho, com o desenvolvimento indiciário previsto no anexo II ao Decreto-Lei n.º 353-A/89, de 16 de Outubro.
O médico veterinário municipal é a autoridade sanitária veterinária concelhia, a nível da respectiva área geográfica de actuação, quando no exercício das atribuições que lhe estão legalmente cometidas.
Os poderes de autoridade sanitária veterinária são conferidos aos médicos veterinários municipais, por inerência de cargo, pela Direcção-Geral de Veterinária (DGV), enquanto autoridade sanitária veterinária nacional, e pela Direcção-Geral de Fiscalização e Controlo da Qualidade Alimentar (DGFCQA), a título pessoal, não delegável e abrangendo a actividade por eles exercida na respectiva área concelhia, quando esteja em causa a sanidade animal ou a saúde pública.
O exercício do poder de autoridade sanitária veterinária concelhia traduz-se na competência de, sem dependência hierárquica, tomar qualquer decisão, por necessidade técnica ou científica, que entenda indispensável ou relevante para a prevenção e correcção de factores ou situações susceptíveis de causarem prejuízos graves à saúde pública, bem como nas competências relativas à garantia de salubridade dos produtos de origem animal.
A autoridade sanitária veterinária concelhia será substituída, na sua ausência ou impedimento, pelo médico veterinário municipal de um dos concelhos limítrofes, a designar pela autoridade sanitária veterinária nacional.
Os médicos veterinários municipais têm o dever de, nos termos da legislação vigente, colaborar com o Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas (MADRP), na área do respectivo município, em todas as acções levadas a efeito nos domínios da saúde e bem-estar animal, da saúde pública veterinária, da segurança da cadeia alimentar de origem animal, da inspecção higio-sanitária, do controlo de higiene da produção, da transformação e da alimentação animal e dos controlos veterinários de animais e produtos provenientes das trocas intracomunitárias e importados de países terceiros, programadas e desencadeadas pelos serviços competentes, designadamente a DGV e a DGFCQA.
Compete aos médicos veterinários municipais, no exercício da colaboração referida no número anterior:
• a) Colaborar na execução das tarefas de inspecção hígio-sanitária e controlo hígio-sanitário das instalações para alojamento de animais, dos produtos de origem animal e dos estabelecimentos comerciais ou industriais onde se abatam, preparem, produzam, transformem, fabriquem, conservem, armazenem ou comercializem animais ou produtos de origem animal e seus derivados;
• b) Emitir parecer, nos termos da legislação vigente, sobre as instalações e estabelecimentos referidos na alínea anterior;
• c) Elaborar e remeter, nos prazos fixados, a informação relativa ao movimento nosonecrológico dos animais;
• d) Notificar de imediato as doenças de declaração obrigatória e adoptar prontamente as medidas de profilaxia determinadas pela autoridade sanitária veterinária nacional sempre que sejam detectados casos de doenças de carácter epizoótico;
• e) Emitir guias sanitárias de trânsito;
• f) Participar nas campanhas de saneamento ou de profilaxia determinadas pela autoridade sanitária veterinária nacional do respectivo município;
• g) Colaborar na realização do recenseamento de animais, de inquéritos de interesse pecuário e ou económico e prestar informação técnica sobre abertura de novos estabelecimentos de comercialização, de preparação e de transformação de produtos de origem animal.
Os médicos veterinários municipais dependem, hierárquica e disciplinarmente, do presidente da câmara da respectiva área da sua intervenção.
As relações funcionais dos médicos veterinários com o MADRP são asseguradas através das direcções regionais de agricultura e da articulação destas com a DGV e a DGFCQA, consoante a natureza das respectivas atribuições.
Entre os médicos veterinários municipais e os serviços mencionados no número anterior será estabelecido um programa de contactos regulares, sem prejuízo da possibilidade de convocação extraordinária por motivo urgente.
Em caso de concorrência de obrigações, prevalece o serviço municipal.
Uma das suas principais actividades são as vistorias iniciais e conjuntas com a comissão de vistorias aos estabelecimentos comerciais para a obtenção do alvará de licença de utilização, sendo aplicada a seguinte legislação nesse domínio a Portaria nº 33/2000, de 28 de Janeiro e o Decreto-Lei nº 370/99 de 18 de Setembro, a:
• Estabelecimentos de comércio de produtos à base de carne
• Estabelecimentos de comércio de peixe, crustáceos e moluscos
• Supermercados e hipermercados
• Armazéns frigoríficos e não frigoríficos
• Estabelecimentos de comércio de alimentos para animais de criação
• Estabelecimentos de comércio de alimentos para animais de estimação
• Estabelecimentos de comércio de animais de estimação
• Clínicas Veterinárias
• Hotéis e outros estabelecimentos de prestação de cuidados a animais de estimação.

Médico Veterinário Municipal: Dr. António Pedro Lopes Gomes
O Município disponibiliza consultas veterinárias e tratamentos e vacinações de pequenos animais tal como a identificação eletrónica de cães e gatos. Para os produtores existe o apoio veterinário e o aconselhamento relativo à produção animal.
Morada:
Av. General Humberto Delgado (antiga Casa dos Magistrados)
5450-004 Vila Pouca de Aguiar
Horário de Atendimento:
Consultório – Dias úteis, das 14h00 às 15h30 para animais de pequeno porte
Exploração – Dias úteis , das 9h00 às 12h30 e das 15h30 às 17h30 para animais de grande porte