O património natural de Vila Pouca de Aguiar é rico e diversificado, resultante da conjugação de diversos fatores, como a localização biogeográfica, a topografia do território onde abruptas serras alternam com vales abertos e longos, e a ancestral ocupação humana do território com a consequente introdução de habitats seminaturais.

A Rede Aguiar Nature representa uma infraestrutura de interpretação de espaços naturais classificados no âmbito da Rede Natura 2000. Na sua génese está a conservação, divulgação e valorização do património natural, mas também do património cultural, arqueológico e arquitetónico com ele relacionado, seguindo sempre uma lógica de desenvolvimento sustentável das vilas e aldeias atravessadas.

Existem seis percursos pedestres interpretados, de pequena rota circular, cuja visita está apoiada por topoguias desdobráveis, painéis interpretativos e observatórios de fauna. Cada trilho tem uma temática ambiental associada, definida de acordo com os ecossistemas percorridos. Existem trilhos com extensão e grau de dificuldade diversificados, aspetos que nunca devem ser descurados na preparação de uma caminhada.

  • Trilho Interpretativo dos Mamíferos Aquáticos

    Trilho com grau de dificuldade fácil com extensão de 5,3 km tem início e fim na barragem da Falperra, tendo como principais atrações a ermida da Senhora da Luz, e amplos pastos para gado bovino. O trilho atravessa o rio Torno tendo como principal vegetação: bétulas, salgueiros, freixos e amieiros. Depois de alguns quilómetros verifica-se uma mudança de paisagem tornando-se esta mais rochosa e a vegetação típica é giestal e carvalhal. Atravessando novamente o rio torno chega-se à albufeira da barragem onde se encontra um observatório donde, com silêncio e sorte, poder-se-á visualizar aves e mamíferos aquáticos, e junto ao lago são visíveis os pinheiros-silvestres e as bétulas.

    Percurso

  • Trilho Interpretativo das Aves de Rapina

    Trilho com grau de dificuldade fácil com uma extensão de 6,5 km, que tem início e fim no lugar do Castelo, tendo como principais pontos de interesse o Castelo de Aguiar, zonas de mato constituído por giestas, intercaladas com bolsas de carvalhal e zonas de pinheiro-silvestre. Atravessa o vale do rio Corgo, podendo observar voos circulares das aves de rapina, entra nas estreitas ruelas da aldeia do Pontido, sombreadas pelas antigas casas de pedra de arquitetura tradicional.

    Percusos

  • Trilho Interpretativo dos Ecossistemas Ribeirinhos

    Trilho com grau de dificuldade moderado com extensão de 8,3 km, tem início e fim na entrada da aldeia de Zimão, tendo como principais atrações a antiga linha do comboio do vale do Corgo, pastos frescos e campos de cultivo intercalados com sebes e tradicionais muros de pedras, a Ermida de São Gonçalo, bovinos de raça maronesa, bosques de carvalho e cerejeiras, afloramento graníticos e algumas ribeiras de montanha. Este percurso permite usufruir de uma vista privilegiada sobre o vale do rio Corgo.

    Percurso

  • Trilho Interpretativo da Veronica micrantha

    Trilho com grau de dificuldade moderado com extensão de 8,7 km, tem início e fim na igreja de Soutelo de Aguiar, tendo como principais sítios de interesse a igreja de Soutelo de Aguiar, soutos, carvalhais, lameiros, vista para o Castelo de Aguiar e um observatório de fauna. No observatório, com silêncio, paciência e sorte, poderá observar espécies que habitam este bosque como o corço, o coelho ou o ouriço-cacheiro. Ao nível da avifauna, aguia-de-asa-redonda ou a coruja-do-mato, o “nervoso” rabirruivo, o cartaxo e o chapim-real. No trilho, atravessam-se as antigas ruas da aldeia do Pontido pontuadas por alguns bosques de carvalho e castanheiro. A época aconselhada para a realização deste trilho é a primavera.

    Percurso

  • Trilho Interpretativo dos Matos de Altitude

    Trilho com grau de dificuldade difícil com extensão de 11,9 km, tem início e fim na Capela do Senhor em Vila Pouca de Aguiar tendo como principais atrações a subida ao santuário de Nossa Senhora da Conceição, verdejantes prados pontuados por carvalhais, e a Ermida de São Jorge, o parque eólico de Negrelo e Guilhado e o observatório de avifauna. A época aconselhada para a realização deste trilho é a primavera.

    Percurso

  • Trilho Interpretativo do Lobo

    Trilho com grau de dificuldade difícil com extensão de 18,8 km, tem início e fim na Igreja Paroquial de Telões, tendo como principais locais de interesse a Igreja Paroquial de Telões, zonas de matos e carvalhal, floresta de pinheiro-silvestre, afloramentos rochosos e dois observatórios de fauna onde poderão ser observadas aves e mamíferos da região como o gado caprino, e com alguma sorte poderá vislumbrar ainda um lobo ibérico.

    Percurso